top of page

Adeus



Último dia do outono e eu nem consegui escrever por aqui.


Nem um post sequer...

Mas eu entendi o porquê.


Já sabe que, pra mim, somos parte da natureza e não dá para fugir das estações internas que sincronizam com a da terra.


O outono nos prepara para o inverno, é um período de colheita, receber o que foi plantado nas estações anteriores, mas também um convite para deixar as folhas secas caírem. Soltar o que já não serve mais.


Momento de escutar sua alma, mergulhar pra dentro de si.


Mas quem foi que disse que isso seria uma tarefa fácil?


Olhar para o que precisamos deixar nos faz conectar com a dor novamente, nosso corpo tem memória, então é algo físico, difícil de lidar e se não estiver com sua consciência atenta ao seu processo de cura e amadurecimento, pode se tornar uma fase muito confusa.


Tive que olhar pra mim e deixar tanta coisa para trás.

Olhar não para o que fizeram comigo, não nessa posição de vítima, mas sim, olhar para o que me conectou a tantos ciclos difíceis.


Percebi o quanto ainda existe uma menina brava em mim, no corpo de uma mulher que sim, é madura, vivida, responsável, fiel, leal, mas que também tem suas dores, seus medos, suas sombras e precisa aprender a lidar com tudo isso.



Mas eu confesso que hoje eu acordei com um sentimento de gratidão, percebendo o quanto tenho aprendido, mesmo que na dor, o quanto tenho me acolhido, eu estou realmente tentando... Tem muita força em mim.


É vivendo que se aprende, precisamos das experiências para poder crescer. Ficar trancadinha em casa, evitando o mundo e as pessoas, não me colocaria nessa oportunidade de vivenciar e aprender tanto.


Sabe o valor disso?

De se amar, se perdoar, se aceitar, desapegar, de viver???

Já entendi que a vida se apresenta como ela é, mas como eu reajo é que fará toda a diferença.



Hoje me despeço da minha versão antiga, escolhi soltar todas, absolutamente todas as folhas secas que já perderam o sentido em mim...


Decido que toda dor que eu for capaz de sentir, não será maior que a mim, mas sim, uma bússola para eu olhar o que está ferido.

Escolho me lapidar, pois eu também sou uma pedra bruta, mas que mesmo assim, brilha.


Entendi o significado de brilhar pra si.

Independente de qualquer manifestação da vida, eu sei quem sou e onde quero chegar.


Eu me despeço do velho, da minha versão passada, da Giselle de ontem que não é mais a mesma de hoje, ainda bem.



Adeus, Gigi! Estou ansiosa pra saber aonde seus novos passos vão te levar.

Espero que tenha muita flor pelo caminho.




13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page